ALDEIA GLOBAL

128- ALDEIA GLOBAL

A aldeia global e a insensibilidade.

  • Antigamente quando se falava em “aldeia global”, se imaginava corretamente o que é até hoje, todo o mundo debaixo de uma única lona, habitando um lugar comum. Um grande tabernáculo montado no deserto.
  • Significava também que, toda dor era comum, se antes da “aldeia global” as pessoas não sentiam a dor alheia de uma forma mais real, agora com a chegada da modernidade podem sentir como se fosse irreal, etérea, virtual, como possibilidade, mas nunca realidade. Com ela a dor se tornou uma coisa presente a cada dia pelos jornais, revistas, televisão e internet, A modernidade “suprimiu” a dor.
  • As pessoas quando liam uma notícia ficavam abismadas com a crueldade, as noticias da segunda guerra chegavam pela rádio, e também pelo jornal, lia-se com certa “reverência” pelos mortos, falava-se baixo e com pesar. Era o tempo onde pouco se sabia do ocorrido no Estado vizinho; notícias chegavam depois de passado muitos dias, e a tristeza tomava conta das pessoas, só de vez enquando. Mas pelo menos tomava e tornava o homem parte da humanidade.
  • O termo nasce no começo do século XIX com o canadense Herbert Marshal Mcluhan, observando a tecnologia do começo de século ele pode perceber que tudo estava se unido debaixo de um novo teto, o teto tecnológico.
  • Hoje temos o mais avançado sistema de comunicação que jamais existiu no mundo e todos sabem do ocorrido em tempo real. Uma explosão nos chega até pelo ruído que provoca no espaço.
  • Hoje o mundo é global em tempo real, realmente uma bola no campo das idéias que se espalham por todo espaço, as idéias são tantas que os objetos de comunicação muda a cada dia, sempre existe no mercado, um novo modelo, uma nova cor, um novo aparelho de se ver, ouvir e saber de tudo o que se passa em todos os lugares, e quase ao mesmo tempo.
  • Quando o homem lia o jornal no passado recente tinha uma tênue impressão das coisas, e imaginava as imagens do acontecimento, com as fotos nas páginas dos jornais, a mente percebia e retinha com mais impressão. Hoje é o mundo maravilhoso pelo poder da comunicação e triste pela incapacidade que o homem desenvolveu de não se entristecer nem se indignar com a violência seja ela qual for. O homem moderno tem visto tanto desastre que lhe parece comum uma bomba explodir na sala de jangar. Nada mais parece causar espanto, tudo faz parte de um círculo virtuoso que se sucede ininterruptamente.
  • Não digo daqueles que estão ali, presente na hora do acontecido, da explosão da bomba. em Boston uma bomba explode e um garoto de oito anos de idade está entre as vítimas. Os primeiros a chorar o acontecido são os pais e a irmã que saem feridos, os vizinhos vêm em seguida na ordem da dor compartilhada. Depois todo os outros sentem um pouco, mas não sentem como sentem os que estão mais próximos. A cidade de Boston ficou pasma diante da possibilidade de explosões aleatórias que tiram a paz.
  • A Cibernética aproximou todos aos eventos espalhados pelo mundo, tudo parece governado pelo poder da mídia, cibernética vem do francês, cybernétique, derivado do grego, kybernênike, a arte de governar os homens.
  • Fácil deduzir que estamos sendo governado pelas máquinas, por isso cada vez mais os homens estão se tornando insensíveis, lê-se sobre uma explosão criminosa, mas não se sente como se sentia no século passado. A dor hoje é sistematicamente combatida pelo próprio meio de comunicação. a insensibilidade é um ópio que se espalha pela net como um entorpecente poderoso, que tira a condição mínima do ser humano. A sensibilidade.
  • Não é mais a dor que sentimos pela dor alheia, não é mais comoção, mas admiração, as fotos são postadas como se fosse algo belo, para ser apreciado. Ou então sem se presta a atenção no ocorrido, como se fosse parte normal do cotidiano e não um coisa para ser exprobrada com firmeza e profunda emoção.
  •  Bispo Primaz I.F. Barreto
Advertisements

About barrosh F.

Bishop of Methodist Renewal Church
Aside | This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s